Lei n.º 62/2007, art. 75.º n.º 4 b) - Constituem infracção disciplinar dos estudantes: A prática de actos de violência ou coacção física ou psicológica sobre outros estudantes, designadamente no quadro das «praxes académicas».

23
Out 08

Há uma tentativa, espero que não conseguida, de lavar e legitimar as praxes. Esta ideia, de solidariedade forçada ("Uma acção, em forma de praxe,") não é inédita da academia de Bragança. Os ex.mos ditos veteranos, auto-denominados durante os rituais engenheiros ou doutores ainda sem o serem, poderiam dar o exemplo e mostrar a sua autêntica genuinidade solidária. "Vejam, caros novos alunos, aqui nós somos solidários. No próximo ano repitam o nosso exemplo".

Agora, estas ideias luminosas dispensam-se. Tenham a caução de quem tiverem.
Haverá outro nome para este acto que não seja praxe (solidária) forçada?
Será possível ser solidário à força?
O que pelos vistos é possível é manter as imaculadas praxes com a caução dos mais incautos e de muitos outros iliteratos. É pena...
------------------

Caloiros do IPB ao lado de Rosa Mota em corrida solidária

Cerca de mil estudantes do Instituto Politécnico de Bragança participaram ontem à noite numa corrida solidária que contou com a participação da campeã olímpica de maratona, Rosa Mota.

 

Uma acção, em forma de praxe, que marcou o inicio da semana do caloiro do IPB.

As inscrições eram feitas em forma de donativos alimentares que vão reverter a favor de instituições particulares de solidariedade social da cidade de Bragança.

Bruno Miranda, o presidente da Associação Académica do IPB, explica o objectivo que o objectivo desta corrida passa por “acariciar e dar mais apoio às instituições de Bragança”.

Já os donativos recolhidos vão ser entregues a instituições como o Patronato, a Igreja dos Santos Mártires, APADI, obra do Padre Miguel, entre outros.

 

Rosa Mota que marcou presença, considerou a iniciativa um exemplo de solidariedade e um incentivo aos jovens para praticarem desporto. “Espero que esta caminhada seja um incentivo para eles para continuarem afazer exercício no seu dia a dia”, disse ao mesmo tempo que sublinhava que “quando estamos a fazer uma acção desportiva a pensar nos outros ainda dá mais gozo fazer desporto”.

 

Os caloiros que ontem correram nesta praxe salientaram a vertente solidária da iniciativa. “Somos boas pessoas e queremos, acima de tudo, ajudar”, diziam. “Trouxemos roupa e leite”, exemplificavam alguns alunos.

 

No entanto também participaram nesta corrida cidadãos que acabaram por ficar com outra ideia do que são as praxes. “Ao contrário que se pensa das praxes acho que foi uma ideia muito boa, ficámos com outra ideia”, revelou uma participante à Brigantia.

 

[...]

 

Rádio Brigantia  www.brigantia.pt

Última actualização: 23-10-2008 08:59

http://www.brigantia.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=1132&Itemid=43

 

Mural na FMDUL - Publicado no blog do M.A.T.A.

publicado por contracorrente às 21:26

boas...
li este post e decidi comentar...
eu ingressei este ano no superio no referido instituto e aderi as praxes academicas. . nesse dia do inicio da semana da recepção ao caloiro que começou nessa tarde com a apresentação dos orgaos dirigentes da instituição fomos informados dessa iniciativa da corrida solidaria. . todos os que participaram, foram de livre vontade, pois ninguem foi obrigado a participar. nessa tarde foi anunciada a iniciativa e manisfestaram vontade que todos os alunos, caloiros ou nao participassem, mas salientaram que ninguem era obrigado...
apesar da minha opçao de me submeter a praxe e que ate hoje nao tenho razao de queixa de nada, tenho total respeito e nada contra quem tem uma opiniao diferente, cada um tem a sua opiniao e ninguem tem sequer o direito de criticar esse aspecto.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

boas... <BR>li este post e decidi comentar... <BR>eu ingressei este ano no superio no referido instituto e aderi as praxes academicas. . nesse dia do inicio da semana da recepção ao caloiro que começou nessa tarde com a apresentação dos orgaos dirigentes da instituição fomos informados dessa iniciativa da corrida solidaria. . todos os que participaram, foram de livre vontade, pois ninguem foi obrigado a participar. nessa tarde foi anunciada a iniciativa e manisfestaram vontade que todos os alunos, caloiros ou nao participassem, mas salientaram que ninguem era obrigado... <BR>apesar da minha opçao de me submeter a praxe e que ate hoje nao tenho razao de queixa de nada, tenho total respeito e nada contra quem tem uma opiniao diferente, cada um tem a sua opiniao e ninguem tem sequer o direito de criticar esse aspecto. <BR class=incorrect name="incorrect" <a>so</A> queria deixar esta mensagem, porque aqui esta a ser exposta uma informaçao da real... compreendo a vossa posição, mas comentem factos e exponham o real... <BR><BR>sem mais a acrescentar... <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>vitor</A>
vitor a 1 de Novembro de 2008 às 00:27

A corrida pode ter tido a melhor das intenções. E felicito-o se participou com esse espírito. Mas os factos para nós são óbvios. A sollidariedade é um acto livre e espontâneo e não pode ter o pressuposto de que há coacção psicológica por detrás. A humilhação e abuso de uma posição de suposta superioridade hierárquica e/ou "mental" não justifica nenhum dos actos de praxe, incluindo este. A autenticidade deste gesto teria o seu momento próprio que não este, para mostrarem que esta academia é de facto solidária.
contracorrente a 1 de Novembro de 2008 às 18:32

Eu sou caloiro (com orgulho) e não me senti nada forçado a participar na maratona, só lá apareceu quem quis.

E é de louvar a atitude de se lembrarem de fazer uma corrida solidária.

Senti-me orgulhoso por ter feito alguma coisa de útil pelo Outro.

P.S.: Só vai ás praxes quem quer, como eu respeito a vossa posição de não gostarem de praxes, vocês também deveriam de aceitar a posição daqueles que são a favor das praxes.Se vocês não gostam das praxes virem as costas e não lhes dêem importância, agora por favor não queiram destruir esta tradição que a meu ver é proveitosa, todos se divertem e se riem. Mais uma vez repito, só participa nas praxes quem quer e quem não quer não é renegado por isso.

Cumprimentos.
Luís Abreu a 20 de Outubro de 2010 às 18:54

Publicamos o post, por não utilizar como argumento o insulto, que é comum nas caixas de comentários. Mas nada mais temos a acrescentar ao dito no comentário que antecede este. Este não é um conceito de solidariedade com que nos revejamos. Nem temos notícia de que algo semelhante exista.
contracorrente a 24 de Outubro de 2010 às 19:35

mais sobre mim
Visitantes

- Objectores -

FREEMUSE - Freedom for Musicians
“Quando fizermos uma reflexão sobre o nosso séc. XX, não nos parecerão muito graves os feitos dos malvados, mas sim o escandaloso silêncio das pessoas boas." Martin Luther King "O mal não deve ser imputado apenas àqueles que o praticam, mas também àqueles que poderiam tê-lo evitado e não o fizeram." Tucídedes, historiador grego (460 a.c. - 396 a.c.)
Na Pista de Outros
Free Global Counter
Google Analytics