Lei n.º 62/2007, art. 75.º n.º 4 b) - Constituem infracção disciplinar dos estudantes: A prática de actos de violência ou coacção física ou psicológica sobre outros estudantes, designadamente no quadro das «praxes académicas».

21
Set 17

 Cria'ctividade de volta a Coimbra para três semanas alternativas à praxe

Até 5 de Outubro, as Repúblicas de Coimbra organizam uma iniciativa que apresenta várias sugestões de integração para os novos alunos, que não passa pela praxe.

https://www.publico.pt/2017/09/18/local/noticia/criactividadede-volta-a-coimbra-para-tres-semanas-alternativas-a-praxe-1785841

publicado por contracorrente às 03:12

17
Set 17

A imbecilidade da praxe e necessidade de quarentena dos seus praticantes
José Pacheco Pereira, 16 de Setembro de 2017, 7:10

Os artigos escritos com fúria são os mais fáceis de fazer. Este foi feito em péssimas condições, começou a ser escrito num restaurante num IPad, continuou numa sala de espera de uma estação de televisão e por fim numa viagem de carro, e acabou num café a 500 quilómetros do sítio original. Foi escrito em emails dirigidos a mim próprio, e não num processador de texto. Várias vezes tive de o enviar com medo de o perder. Mas, mesmo com todas as dificuldades de sítio, movimento, ruído e agitação, a fúria manteve-o vivo. Espero que os meus amigos revisores do PÚBLICO tenham em consideração este caos e me perdoem as gralhas, erros e mau estilo. Também não tenho contadores de palavras e caracteres, pelo que espero que não esteja nem pequeno, nem grande.

Aqui vai pois a fúria.

Há momentos em que se percebe muito bem por que razão este país não anda para a frente e um desses momentos é quando se traz para as ruas o espectáculo da praxe. As universidades, salvo raras e honrosas excepções, não a proíbem dentro das suas instalações, e, quando a escorraçam para os espaços públicos, as autarquias deviam tratá-las como um problema de saúde pública que exige uma forma qualquer de quarentena. Não o fazem. É por isso que não andamos para a frente.

As autarquias permitem que milhares de cidadãos sejam insultados pelo espectáculo da imbecilidade colectiva que se passa nos jardins e nas ruas. Aliás, o que se passa não é diferente do pastoreio das claques de futebol pela polícia de choque, em que um exército excitado e violento ameaça entrar em guerra com o exército do lado. Os espaços públicos pertencem ao público, a todos nós, não podem ser apropriados por actividades violentas e as praxes são um espectáculo de violência da estupidez. E a estupidez até pode matar, mas, mesmo que não mate, magoa a cabeça, o pensamento, a razão, a decência e boa educação. É por isso que não andamos para a frente.

Em muitos sítios não se pode fumar, ter atitudes “indecentes”, provocar os outros passeantes, mas, se forem os meninos e meninas da praxe, está tudo bem.

Mas não está. Se se quer permitir as praxes — o que para mim está bem fora das escolas e das ruas —, ao menos que se proceda com medidas de sanidade pública, como seja atribuir-lhes uns locais vedados, cercados por altos muros, os curros das praças de touros, ou os lotes vazios da selva urbana, os sítios poluídos onde ninguém quer ir, os matadouros abandonados, as fábricas em ruínas, aqueles cenários dos filmes de terror. Aí, se quiserem, podem dedicar-se a rastejar pelo chão, a lamber coisas inomináveis, a fazerem genuflexões “servis” como mandam os manuais da praxe. É por isso que não andamos para a frente.
Quem tem também muitas responsabilidades são os paizinhos e as mãezinhas dos dois lados da praxe, os que mandam e os seus servos, certamente também porque muitos deles andaram já nessas andanças e pelos vistos gostaram. Claro, quando as coisas correm mal, e já correram muito mal, então protestam, mas já é tarde de mais. Eu sei bem que muitos dos praxados e praxantes já são jovens adultos, sem estarem sujeitos à autoridade paternal, mas presumo que continuam a viver com as mamãs, e à custa dos progenitores, pelo que leverage existe — mas, como tudo neste infeliz país destes dias, não é exercido. Não é exercido pelas autoridades académicas que, quando muito, olham para o lado para não verem o nojo de tão baixa função em tão alta universitas, cheia de dignidade latina e de indignidade humana. É por isso que não andamos para a frente.

Não há nada de bom nas praxes, por muito que haja uma escola de sociólogos e antropólogos que aceitam sempre justificar tudo com o fabuloso argumento dos ritos de passagem e da “integração”. Mas, em bom rigor, o que é que distingue estas exibições de autoridade do segundo ano sobre os caloiros do consentimento social da violência doméstica? E afirmam que estas brincadeiras imbecis ajudam os meninos e meninas a “integrarem-se” nas universidades. Estou mesmo a ver os praxados a correrem para os livros no dia seguinte ao fim das semanas da praxe, já muito “integrados” em todas as virtudes dos altos estudos. É por isso que não andamos para a frente.

Tenho muita honra em ter toda a vida combatido estas imbecilidades socialmente perigosas, algumas vezes de forma, digamos, mais consequente. Não conto desistir e talvez assim assegure um lugar no paraíso e possa ver, da minha branca nuvem, as actividades dos diabos. Porque de uma coisa eu tenho a certeza — para entrar no Inferno há praxes, para “integrar” os malditos no exercício da autoridade diabólica, humilhando-os fazendo-os rebolar na lama sulfurosa do Inferno. Boa praxe!

https://www.publico.pt/2017/09/16/sociedade/noticia/a-imbecilidade-da-praxe-e-necessidade-de-quarentena-dos-seus-praticantes-1785607

publicado por contracorrente às 07:10

11
Set 17

O combate contra práticas humilhantes como as praxes tem de continuar
10.09.2017 às 0h01
http://expresso.sapo.pt/sociedade/2017-09-09-O-combate-contra-praticas-humilhantes-como-as-praxes-tem-de-continuar

O Ministro do Ensino Superior lembra a iniciativa em curso "exarp - dar a volta à praxe", que pretende incentivar o recurso a actividades alternativas de integração dos novos estudantes

O Ministro do Ensino Superior, Manuel Heitor, tem sido uma das vozes mais críticas contra os abusos praticados nas praxes do ensino superior e, em declarações ao Expresso, diz que poderão "sempre contar" com a sua ajuda no "combate contínuo e sistemático que tem de ser feito em relação a práticas humilhantes como as praxes".


Ministério lança iniciativa para “dar a volta à praxe”
https://www.publico.pt/2017/09/10/sociedade/noticia/ministerio-lanca-iniciativa-para-dar-a-volta-a-praxe-1784936
Direcção-Geral do Ensino Superior promove um site onde é possível encontrar as actividades alternativas à praxe em cada instituição de ensino. Contra as "manifestações de abuso, humilhação e subserviência".

O Ministério da Ciência e Ensino Superior quer “dar a volta à praxe”. E para isso a Direcção-Geral do Ensino Superior criou uma plataforma que pode ser acedida em www.exarp.pt

 

Não se pode arredar pé do combate às praxes"
15 set, 2017 - 19:49 • Rosário Silva

http://rr.sapo.pt/noticia/93410/manuel_heitor_nao_se_pode_arredar_pe_do_combate_as_praxes

Governante defende “processos positivos de integração pela cultura, pelo desporto, por práticas que identificam o ensino superior como espaço de tolerância e de diálogo aberto”.
O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior quer fazer das praxes académicas uma “rotina” positiva da integração dos estudantes.


16
Mar 17

Sr. Reitor, é preciso ir mais além do que existir "o princípio da liberdade de escolha".

Esta extorsão tem responsáveis e cúmplices, por omissão.

 

Cobrança de 1,5 euros a caloiros da Universidade de Aveiro gera indignação
https://www.publico.pt/2017/03/15/local/noticia/cobranca-de-15-euros-a-caloiros-da-universidade-de-aveiro-gera-revolta-1765364
Dirigentes da Associação Académica dizem-se chocados. Reitor afirma que na universidade aveirense está garantido o princípio da liberdade de escolha.

Alunos obrigados a pagar kit de praxe.

https://www.noticiasaominuto.com/pais/758741/alunos-obrigados-a-pagar-kit-de-praxe-associacao-academica-revoltada
Estudantes e associação académica de Aveiro revoltados com comissões de praxe, que solicitaram aos caloiros o pagamento "obrigatório" de um kit como objetivo de financiar um encontro anual de comissões de praxe.

 

Caloiros revoltam-se contra obrigatoriedade de pagar kit de praxe em Aveiro
http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/caloiros-revoltam-se-contra-obrigatoriedade-de-pagar-kit-de-praxe-em-aveiro-133942
Depois de financiamento para um encontro de praxe ter sido recusado, os estudantes mais velhos pediram dinheiro aos caloiros.

 

Praxe de Aveiro obriga caloiros a pagar 1,5 euros
http://observador.pt/2017/03/15/praxe-de-aveiro-obriga-caloiros-a-pagar-15-euros/
A Comissão de Praxe da Universidade de Aveiro obrigou os caloiros a adquirir um kit de 1,5 euros. O presidente e o reitor da universidade já se manifestaram, após queixas de vários caloiros.

-------------------------

Actualização (19.Mar.2017)

Não concordamos necessariamente com esta linguagem ou abordagem, mas o certo é que o dito vem ilustrar o tantas vezes aqui escrito. Que estes rituais de "superior integração" têm a cumplicidade de muitos dirigentes das instituições. Uns por ignorância, muitos por negligência.

E também certo é que imagens desta são possíveis de encontrar noutras instituições.

Em absoluto acordo, absolutamente reprováveis.

Sendo que aguardaremos e reproduziremos o direito de reposta ou de esclarecimento.

Reitor da Universidade de Aveiro participa na praxe

http://www.esquerda.net/artigo/reitor-da-universidade-de-aveiro-participa-na-praxe/47631

publicado por contracorrente às 23:42

11
Mar 17

Acima da lei e do Código Civil, está o Código da Praxe.

Embora Jesus diga, sem prova, o contrário.

 

“Terminar com a praxe? Temos é de cumprir as leis do nosso país”
http://www.diariocoimbra.pt/noticia/16678

Código da praxe de Coimbra foi redigido há 60 anos... e quase nada mudou
http://www.tsf.pt/sociedade/educacao/interior/codigo-da-praxe-de-coimbra-foi-redigido-ha-60-anos-e-90-da-sua-base-mantem-se-5717095.html

Código da praxe de Coimbra foi redigido há 60 anos e 90% da sua base mantém-se
https://www.publico.pt/2017/03/10/sociedade/noticia/codigo-da-praxe-de-coimbra-foi-redigido-ha-60-anos-e-90-da-sua-base-mantemse-1764758

publicado por contracorrente às 17:16

06
Mar 17

Antes de qualquer equívoco: um elogio claro aos autores deste estudo e mais ainda a quem teve a coragem pessoal e política de o promover.

E desta coragem, de afrontar uma (vergonhosa) maioria institucional que as legitima, dão bem conta o título de algumas notícias que abaixo reproduzimos, a que prometemos voltar após leitura das 273 páginas deste estudo.

Um estudo que vem dar substância ou confirmar o que já antes tinhamos aqui escrito (21.Jan.2017). A maioria das instituições dão cobertura, apoio e são cumplices destas actividades. Entendemos que por duas razões: ignorância e negligência.

Dispensamo-nos de as justificar, os factos dão-lhe consistência.

E o estudo apresentado hoje vem nessa linha. Acrescentando outros detalhes a esta (demasiado) longa história.

---------------------------------------------------------------

Universidades legitimam praxe, conclui estudo pedido pelo Governo

Maioria das instituições admite estas práticas dentro das suas instalações e reúne-se com as comissões de praxe. Relatório defende revisão dos regulamentos internos, mas diz que não há necessidade de mudar a lei para lidar com os abusos.
https://www.publico.pt/2017/03/06/sociedade/noticia/universidades-legitimam-praxe-conclui-estudo-pedido-pelo-governo-1764015

Maiorias das universidades não vê ilegalidade nas praxes
Um estudo apresentado esta segunda-feira sobre as praxes académicas conclui que as instituições de ensino avalizam estas práticas.
https://www.rtp.pt/noticias/pais/maiorias-das-universidades-nao-veem-ilegalidade-nas-praxes_a986949

Governo pressionado a bloquear fundos a associações de estudantes
 "Parto do princípio de que nem há esse financiamento. Eu próprio tenho pedido e solicitado [que não exista apoio formal]. Já escrevi a todos os reitores, ao conselho de reitores, parto do principio de que as instituições não reconhecem a existência de comissões de praxe." [Manuel Heitor, Ministro]

83% [das instituições] confirmam apoios formais.


http://www.dn.pt/portugal/interior/governo-pressionado-a-bloquear-fundos-a-associacoes-de-estudantes-5706826.html

"A Praxe como fenómeno social”
Promovido pela própria Direção Geral do Ensino Superior, o estudo “A Praxe Como Fenómeno Social” foi coordenado por João Teixeira Lopes (ISUP e FLUP) e João Sebastião (CIES) e teve como principal objetivo compreender o fenómeno da praxe académica em profundidade, privilegiando-se a interpretação dos significados que diversos atores do sistema de ensino superior (estudantes, dirigentes associativos e dirigentes das instituições de ensino) atribuem ao fenómeno.

https://www.dges.gov.pt/pt/noticia/apresentacao-e-debate-do-estudo-praxe-como-fenomeno-social

O estudo "A Praxe como fenómeno social” pode ser visualizado aqui.
http://www.dges.gov.pt/sites/default/files/naipa/a_praxe_como_fenomeno_social.pdf

Investigadores aconselham Governo a fazer relatório anual sobre praxes
http://www.acorianooriental.pt/noticia/investigadores-aconselham-governo-a-fazer-relatorio-anual-sobre-praxes

DGES apresenta estudo nacional sobre a praxe
http://www.comumonline.com/?p=18856

Estudo pede criação de linha para apoiar vítimas de praxe violenta
O mesmo documento recomenda que seja impedido o financiamento público de actividades de praxe académica
http://www.sabado.pt/vida/detalhe/estudo-pede-criacao-de-linha-para-apoiar-vitimas-de-praxe-violenta

Governo deve garantir isenção de custas judiciais a estudantes alvo de praxes abusivas

http://24.sapo.pt/noticias/nacional/artigo/governo-deve-garantir-isencao-de-custas-judiciais-a-estudantes-alvo-de-praxes-abusivas-estudo_22040863.html


14
Dez 16

A solidariedade forçada é sempre solidariedade praxada.
Porque é ou deve ser ser voluntária.
----------------------------------------------------------
Alunos do Politécnico de Viana vão espalhar cachecóis pela cidade para aquecer os sem-abrigo
Jéssica Rocha, 13 de Dezembro de 2016, 17:58
https://www.publico.pt/2016/12/13/local/noticia/alunos-do-politecnico-de-viana-vao-espalhar-cachecois-pela-cidade-para-aquecer-os-semabrigo-1754666

É mais uma das iniciativas que os estudantes das comissões de praxe das várias escolas do Instituto têm levado a cabo para ajudar quem mais precisa e para integrar e sensibilizar os caloiros.

E embora a ideia não seja original – foi mais uma das que se adoptaram dos EUA –, é apenas a mais recente dos estudantes do IPVC na senda das praxes solidárias que os aproximem à comunidade local.

A ideia dos cachecóis partiu de José Oliveira, aluno do curso de Turismo da Escola Superior de Tecnologia e Gestão, que viu no Facebook uma publicação de um amigo sobre a versão americana da iniciativa.

publicado por contracorrente às 08:03

31
Out 16

Achamos que isto não é alheio à clara condenação pública pelo Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, de estes actos impróprios em instituições de ensino, sejam superiores ou inferiores. Mas que no dito "Superior" tem tido a cobertura negligente, por indiferença, omissão ou inacção, das respectivas instituições.

O que se aguarda é que, apesar de tudo um acto de coragem por ir contra o estabelecido, tenha consequências para os infractores e seja feita justiça às vítimas.

 

Nove denúncias contra praxes abusivas no arranque deste ano lectivo
http://www.publico.pt/sociedade/noticia/praxes-abusivas-motivaram-nove-denuncias-neste-ano-lectivo-1749540

Em dois meses há quase tantos casos como em todo o ano anterior. DGES quer saber o que se passou com alunos da Escola Náutica Infante D. Henrique.

publicado por contracorrente às 20:50

19
Out 16

Praxe e Tradições Académicas

Elísio Estanque (ed. Fundação Francisco Manuel dos Santos)

PUBLICADO EM Outubro 2016

https://www.ffms.pt/publicacoes/detalhe/1742/praxe-e-tradicoes-academicas

 

https://www.publico.pt/sociedade/noticia/a-resposta-a-praxe-nao-pode-ser-a-punicao-1747521

publicado por contracorrente às 13:49

01
Out 16

Já aqui o dissemos por mais do que uma vez, continuamos a não entender que estes actos sejam tidos por voluntários. É mais uma praxe "light". Neste caso e noutras réplicas pelo país, com a bênção dos dirigentes das instituições. Se é uma forma de esvaziar o acto das praxes, o tempo o dirá.

I. P. Leiria: Caloiros limpam praias

Liliana Borges, 30/09/2016 - 18:59
A praxe do Instituto Politécnico de Leiria quer apostar em actividades de cariz social e afastar a humilhação associada às actividades entre "caloiros" e "veteranos

http://www.publico.pt/ecosfera/noticia/em-peniche-o-caloiro-limpa-a-praia-1745641

publicado por contracorrente às 23:13

15
Set 16

Que precisam de fazer escola. Servir de exemplo.

 

O combate tem que ser de natureza cultural, de mudança de mentalidade
Camilo Soldado, 15/09/2016 - 09:32

https://www.publico.pt/sociedade/noticia/o-combate-tem-que-ser-de-natureza-cultural-de-mudanca-de-mentalidade-1744140#
Três perguntas a Miguel Cardina [investigador do Centro de Estudos Sociais]

 

Quando a alternativa parte dos estudantes
Camilo Soldado, 15/09/2016 - 09:33
https://www.publico.pt/sociedade/noticia/quando-a-alternativa-parte-dos-estudantes-1744143
Em Lisboa é o primeiro ano, em Coimbra já vai na terceira edição. Grupos de estudantes organizam-se para receber os novos colegas sem hierarquias.
Em Coimbra e Lisboa, estudantes criaram alternativas à praxe e ajudam a integrar os novos alunos

o Cria’ctividade apresenta em Coimbra um programa com actividades culturais, desportivas e debates para evitar “o monopólio” da praxe.

https://www.facebook.com/coimbracriactiva

Na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa surgiu este ano um projecto semelhante ao de Coimbra. O AlternAtiva está a ajudar a integrar os novos estudantes pela primeira vez e define-se como “uma alternativa à praxe”

https://www.facebook.com/mov.altern.ativa2016/

https://www.facebook.com/AlternAtivaFMV

 

Apresentada a Praxe+, que propõe a integração dos alunos com ciência e cultura
http://www.dn.pt/portugal/interior/apresentada-apraxe-que-propoe-a-integracao-dos-alunos-com-ciencia-e-cultura-5388410.html
O programa pretende apoiar a integração dos novos alunos no ensino superior com ciência e cultura para respeitar a autonomia pessoal e desenvolver o sentido crítico dos estudantes

 

PRAXE + VAI INTEGRAR ALUNOS COM CIÊNCIA E CULTURA

http://informacao.canalsuperior.pt/noticia/21015#anchor

Ontem, foi apresentado o novo programa da Ciência Viva para a integração dos novos estudantes universitários. O Praxe + quer promover a cultura científica.

publicado por contracorrente às 13:19

Concerteza.

Mas preferimos a cautela, esperara para ver. Se as boas palavras que vêm de cima são cumpridas pelos de baixo.

Universidades arrancam o ano com programas alternativos de integração dos alunos
Camilo Soldado, 15/09/2016 - 08:21
https://www.publico.pt/sociedade/noticia/universidades-arrancam-o-ano-com-programas-alternativos-de-integracao-1744152#
Em várias instituições as iniciativas já aconteceram em anos anteriores. O ministro com a tutela do Ensino Superior, Manuel Heitor, tinha apelado a que instituições encontrassem alternativas às praxes.

publicado por contracorrente às 13:01

09
Set 16

Bullying e Ciberbullying na mira da PSP
08/09/2016 - 09:43
Operação Escola Segura da PSP para este ano letivo já arrancou

https://www.publico.pt/multimedia/video/bullying-e-ciberbullying-na-mira-da-psp-201698111033

publicado por contracorrente às 01:26

05
Set 16

Resta ver até onde as hierarquias, Reitores, Presidentes e Directores o acompanham.

Sempre terá o poder de os demitir ou pelo menos chamar à razão, lhes retirar a confiança.

 

Ministro quer afastar comissões de praxe e pôr cientistas a receber novos alunos

Manuel Heitor escreveu carta a todas as instituições do ensino superior criticando "abuso e humilhação" das praxes e pedindo alternativas de recepção.

https://www.publico.pt/sociedade/noticia/ministro-quer-afastar-comissoes-de-praxe-e-por-cientistas-a-receber-alunos-nas-universidades-1743287

 

https://pt-pt.facebook.com/Publico/posts/10154520035586983

publicado por contracorrente às 22:57

02
Jul 16

Era o que faltava, ser condenada a vítima e não serem encontrados os autores.

Fica a outra justiça por fazer.

 

Mãe de jovem que morreu após agressões em praxe foi absolvida
Ana Cristina Pereira, 01/07/2016 - 16:21

Maria de Fátima Macedo estava acusada de difamação por se ter referido, em entrevistas, a um jovem que chegou a ser arguido em processo-crime como suspeito pelo homicídio.

https://www.publico.pt/sociedade/noticia/mae-de-jovem-que-morreu-apos-agressoes-em-praxe-foi-absolvida-1736960

publicado por contracorrente às 07:11

25
Mai 16

Escreveu-o o poeta, confirma-o a história.

Aqui nesta breves palavras, certamente duras para quem sente a perda.

E sentirá um grito de revolta surdo, que ninguém ouve.

A justiça era merecida. Ficam algumas palavras, não todas que são duras. E o recorte da notícia.

" No plano abandonado
Que a morna brisa aquece,
De balas trespassado
— Duas, de lado a lado —,
Jaz morto e arrefece.
[...]
Tão jovem! que jovem era!
(Agora que idade tem?)
Filho único, a mãe lhe dera
Um nome e o mantivera:
«O menino da sua mãe».

Fernando Pessoa

--------------------------------------

Mataram Diogo numa praxe e o pacto de silêncio ainda cala a verdade
Pedro Sales Dias, 25/05/2016 - 16:40
https://www.publico.pt/sociedade/noticia/mataram-diogo-em-praxe-e-pacto-de-silencio-ainda-cala-a-verdade-em-tribunal-anos-depois-1733027
Jovem foi espancado num ensaio da tuna há 15 anos. Antigo colega diz agora em tribunal que "o que aconteceu não foi praxe", que a "violência não é praxe". Insiste que não viu nada, mas levou revista igual à que terá sido usada para agredir aluno.

publicado por contracorrente às 22:58

23
Mai 16

A genuflexão é um acto que (ainda) faz boa escola.

O direito à revolta nem por isso.

Não será justiça unidireccional mas existe também o direito, com ou sem revolta, que ela siga todas as direcções. E este caso aguarda gritante justiça.

 

Mãe que perdeu filho nas praxes vai a tribunal e invoca direito à “revolta”
Pedro Sales Dias, 23/05/2016 - 08:03
https://www.publico.pt/sociedade/noticia/mae-julgada-por-nomear-assassinos-do-filho-defendese-com-direito-a-revolta-1732650
Filho morreu numa praxe na Tuna Académica da Universidade Lusíada de Famalicão em 2001, mas a justiça foi incapaz de encontrar os culpados. Esta segunda-feira, a mãe começa a ser julgada acusada de difamar um dos jovens que foram arguidos na investigação ao homicídio.

Quinze anos depois de o filho ter morrido devido a agressões infligidas numa praxe na Tuna Académica da Universidade Lusíada de Famalicão, Maria de Fátima Macedo senta-se no banco dos réus acusada ela por quatro crimes de difamação. A mesma justiça que foi incapaz de encontrar os culpados da morte de Diogo quer condenar a mãe por ter nomeado os suspeitos da morte do filho em entrevistas a um jornal e a duas televisões em 2014 .

Olavo Almeida, tuno agora com 39 anos – que chegou a ser arguido na investigação ao homicídio depois arquivada – não gostou do que ouviu. Apresentou uma acusação particular por difamação e uma procuradora do Ministério Público decidiu acompanhá-lo. O julgamento começa na tarde desta segunda-feira no Tribunal da Maia e Maria de Fátima Macedo arrisca uma pena até dois anos de prisão ou o pagamento de uma multa. O queixoso exige-lhe uma indemnização de 120 mil euros. Em 2009, o Tribunal Cível de Famalicão condenou a Universidade Lusíada de Famalicão a pagar à mãe 90 mil euros de indemnização.

publicado por contracorrente às 19:02

24
Abr 16

Esta é a principal conclusão da autópsia, que não deixa dúvidas. Não obstante julgam-se os vivos. Mas, pasme-se, não os autores mas as vítimas.

 

Médico denunciou homicídio que pacto de silêncio na tuna abafou
Pedro Sales Dias, 23/04/2016 - 08:33

Clínico terá descoberto tudo e denunciou crime ao procurador em Braga. Acabou por se suicidar dias depois em circunstâncias suspeitas.
https://www.publico.pt/sociedade/noticia/medico-denunciou-homicidio-que-pacto-de-silencio-na-tuna-abafou-1729824

Foi um médico do Hospital de São João, no Porto, que lançou em 2001 as suspeitas de crime no caso da morte de Diogo Macedo, jovem que era “tuninho” (caloiro) da Tuna Académica da Universidade Lusíada de Famalicão, apesar de então estar no quarto ano do curso de Arquitectura. Quinze anos depois, o caso volta a ser notícia porque uma procuradora quer que a mãe de Diogo Macedo responda em tribunal por ter identificado aqueles que considera que foram os responsáveis pela morte do filho.

O relatório da autópsia ao cadáver de Diogo Macedo desfia um rol de lesões: um hematoma extenso no cerebelo, uma fractura da primeira vértebra cervical, duas escoriações no lábio, uma escoriação na orelha direita, múltiplas equimoses no tórax, múltiplas equimoses na região lombar e uma equimose no testículo. António Guimarães [o médico que fez a denúncia] tinha razão.

 

O filho de Maria de Fátima Macedo morreu, mas o Ministério Público não encontrou culpados. Agora, a mãe vai ser julgada por difamação de um dos alegados envolvidos.
https://www.publico.pt/sociedade/noticia/procuradora-quer-mae-de-aluno-morto-em-praxe-julgada-por-nomear-assassinos-na-tv-1729823

publicado por contracorrente às 00:16

mais sobre mim
Visitantes

- Objectores -

FREEMUSE - Freedom for Musicians
“Quando fizermos uma reflexão sobre o nosso séc. XX, não nos parecerão muito graves os feitos dos malvados, mas sim o escandaloso silêncio das pessoas boas." Martin Luther King "O mal não deve ser imputado apenas àqueles que o praticam, mas também àqueles que poderiam tê-lo evitado e não o fizeram." Tucídedes, historiador grego (460 a.c. - 396 a.c.)
Na Pista de Outros
Free Global Counter
Google Analytics