Lei n.º 62/2007, art. 75.º n.º 4 b) - Constituem infracção disciplinar dos estudantes: A prática de actos de violência ou coacção física ou psicológica sobre outros estudantes, designadamente no quadro das «praxes académicas».

04
Fev 14

Com a devida vénia ao autor, aqui utilizada para fins não comerciais.

Cartoon de Luís Afonso (Público, 04.02.2014).

 

GENTE:

Cerca de 30 pessoas junto à Lusófona contra praxes
http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=3701925
Cerca de 30 pessoas concentraram-se hoje à tarde junto à Universidade Lusófona, em Lisboa, num protesto contra as praxes académicas.
Empunhando cartazes onde podem ler-se frases como "Temos direito a não ser humilhados", "Educação para uma vida de servidão" e "Integração é diferente de submissão", os participantes no protesto, em larga maioria jovens mantiveram-se em silêncio.
Este protesto serve, de acordo com uma das promotoras, como "um alerta à sociedade para um problema que existe dentro das universidades".
"Estamos contra qualquer tipo de praxe que envolva princípios de hierarquia, submissão e obediência, sem reclamação. No fundo, esse é o problema da praxe académica", afirmou Diana Luís, estudante da Universidade de Aveiro, em declarações aos jornalistas.
Convocar o protesto para a porta da Universidade Lusófona, no Campo Grande, não foi casual.
"É simbólico, pelo que se passou no Meco, que se suspeita que esteja relacionado com praxes académicas, e também para chamar a atenção para todas as vítimas que houve antes desta tragédia", referiu Diana Luís.

Diana Luís faz parte de um movimento anti-praxe estudantil formado recentemente, "para colmatar a lacuna que o Movimento Anti Tradição Académica (MATA) e os Antípodas deixaram, quando os seus elementos, naturalmente passando para a vida profissional, os deixaram cair".
No protesto de hoje participou também a deputada do Bloco de Esquerda (BE) Mariana Mortágua, em solidariedade com uma ação "que contribui para alterar esta cultura da praxe".

 

GENTINHA:

Estudantes defendem que praxes criam união e integram
http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=3701991&seccao=Sul
 Eram mais ou menos 18.00 quando cerca de uma centena de estudantes se concentrou na Praça do Comércio, em Lisboa, para dizer "sim" às praxes académicas. Isto, porque, garantem, ajudam à união e à integração.
Vestidos com os negros trajes académicos, cerca de uma centena de jovens de diversas universidades juntaram-se em torno da estátua equestre de D. José I. Acompanhados da viola, entoaram cânticos académicos e mostraram orgulho no ritual que, dizem, tem por fim dar as boas-vindas e ajudar a integrar os caloiros.
"Queremos demonstrar que a praxe não é algo mau. Ela proporciona um ambiente de união, sem violência ou cariz sexual", explicou aos jornalistas o estudante Frederico Campos, admitindo, no entanto, que por vezes há excessos.

publicado por contracorrente às 20:22

mais sobre mim
Visitantes

- Objectores -

FREEMUSE - Freedom for Musicians
“Quando fizermos uma reflexão sobre o nosso séc. XX, não nos parecerão muito graves os feitos dos malvados, mas sim o escandaloso silêncio das pessoas boas." Martin Luther King "O mal não deve ser imputado apenas àqueles que o praticam, mas também àqueles que poderiam tê-lo evitado e não o fizeram." Tucídedes, historiador grego (460 a.c. - 396 a.c.)
Na Pista de Outros
Free Global Counter
Google Analytics